Por que os 33 anos de Renato Augusto são muito diferentes dos 34 de Jô

Tomás Rosolino

Tomás Rosolino é jornalista faz um tempo. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, ex-Agora SP e Gazeta Esportiva. Hoje no Meu Timão. Vejo muito esporte, todo dia, o dia todo.

ver detalhes

Por que os 33 anos de Renato Augusto são muito diferentes dos 34 de Jô

Coluna do Tomás Rosolino

Opinião de Tomás Rosolino

31 mil visualizações 205 comentários Comunicar erro

Por que os 33 anos de Renato Augusto são muito diferentes dos 34 de Jô

Renato Augusto tem negociações abertas com o Corinthians

Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Solta a bomba dos amigos Marcelo Braga e Bruno Cassucci no GloboEsporte.com na tarde da segunda-feira, uma onda de menções a Renato Augusto possível - quiçá provável - futuro como jogador do Corinthians dominou a internet e motivou as mais diversas reações. A maioria foi positiva, mas houve quem questionasse a idade do meia, atualmente com 33 anos.

"O Renato não é mais o mesmo de 2015", escreveu um torcedor para mim nas redes sociais. Óbvio. A diferença do atual para o de seis anos atrás, porém, não me parece absurda. "Olha só como voltou o Jô, que também tinha 33", lembrou outro, que motivou uma pesquisa que trago abaixo.

Uma conclusão minha: os 33 anos de Renato Augusto não passam nem perto do desgaste vivido por Jô, atualmente com 34. Em busca de uma melhor condição, o centroavante, que voltou a marcar gols em sequência recentemente, tem no tempo de profissão o grande diferencial em relação a Renato.

O primeiro ponto é que, com 16 anos, Jô já atuou por meia temporada do Corinthians, enquanto Renato passou a ser aproveitado já com 18 no Flamengo. Esses dois anos vão se acumulando e veem a diferença aumentar pelo alto número de lesões sofridas por Renato na sua passagem pela Europa, que jogaram sua minutagem para baixo.

Jô, que atuou entre 2003 e 2017 em ligas de alto nível, entre Brasil, Rússia e Europa Ocidental, teve um breve intervalo em 2017, atuando em Dubai e na China, além dos dois anos antes de retornar ao Timão, no Japão.

Renato, por sua vez, manteve o alto nível de competitividade entre 2006 e 2015, passando as últimas cinco temporadas no futebol chinês, onde atletas atuam quase a metade do tempo que se pratica futebol no Brasil. A disparidade, então, fica clara.

Contando apenas jogos por clubes, Renato atuou em 487 partidas na carreiras contra 694 de Jô, mais de 200 jogos de diferença. Em termos de minutagem, são 47 mil do centroavante contra 35 mil do meia, totalizando quase 200 horas a mais de futebol para Jô.

Jô, aos 33, já tem uma carreira mais longa que a grande maioria dos jogadores de futebol em alto nível. Já são 19 temporadas de treinamento forte, viagem e, no caso dele, com um longo período de certo abuso fora de campo. Tudo isso, uma hora, transforma-se em uma conta que o jogador tem de pagar.

Para se ter uma ideia, Fred, quatro anos mais velho na certidão de nascimento, estreou no profissional no mesmo 2003 que Jô. Ou seja, o corpo do corinthiano recebeu um acúmulo de desgaste digno de atletas já na metade final dos 30.

Renato, por sua vez, tem apenas 87 jogos por clubes a mais do que o volante Gabriel, que completou 400 na última semana. Ou seja, enquanto Jô tem carga semelhante a atletas quatro anos mais velhos, Renato tem carga mais próxima de jogadores quatro anos mais novos.

Veja a comparação de minutagem de ambos

Renato Augusto na carreira

  • 487 jogos
  • 35817 minutos
  • 596 horas

Jô na carreira

  • 694 jogos
  • 47552 minutos
  • 792 horas

Veja mais em: , Elenco do Corinthians, Mercado da bola, Ex-jogadores do Corinthians e Renato Augusto.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Tomás Rosolino

Por Tomás Rosolino

Tomás Rosolino é jornalista faz um tempo. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, ex-Agora SP e Gazeta Esportiva. Hoje no Meu Timão. Vejo muito esporte, todo dia, o dia todo.

O que você achou do post do Tomás Rosolino?

x