Venha fazer parte da KTO
x
Foi, foi, foi, mas acabou não 'fondo'
Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

Foi, foi, foi, mas acabou não 'fondo'

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

6.9 mil visualizações 39 comentários Comunicar erro

Foi, foi, foi, mas acabou não fondo

Os times pequenos: o que aprender com a sina do revés?

Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Aconteceu com você também? Ontem à noite, confesso que deitei decidido a dormir logo. Afinal, tinha trampo pela manhã. Mas demorei pacas até dormir, envenenado com a derrota lá no Antônio Accioly.

Aí, nessas horas, sem autorização, liga-se o computador da memória de historiador. Era para a gente conseguir o tetra paulista em 1925. Foi, foi, foi, e acabou não "fondo" com a derrota para o Paulistano.

Esse "fondo", invenção gramatical divertida, vem do folclore futebolístico, em frases atribuídas a diversos craques do passado. Recordo dessa máxima popular sempre que me abalo com um fracasso.

Bem, falamos de 1925. Mas, em 1943, aconteceu de novo, um pontinho do São Paulo. Em 1946, mais uma frustração, um pontinho. E foi assim também em 1955, atrás do Santos. Sofremos uma derrota inexplicável, no Paca, para o Guarani. E esses pontos nos tiraram o título.

Fizemos timaços em 1967 e 1969. Parecia que ia, ia, ia, mas acabava não indo. De novo, em 1972, no Brasileirão, naquete terrível jogo contra o Botafogo, no Maracanã. E no Paulista de 1974, contra os palestrinos.

Em 1987, não ia, não ia, não ia; até que foi, foi, foi, mas acabou não fondo. Em diversas competições, aconteceu o mesmo, em 1993, 1994, 1999, 2000, 2001, 2010...

É evidente que há casos semelhantes em outros clubes. Ninguém eterniza favoritismo e boa fase não dura para sempre. Mas é notável nossa quantidade de malogros em fases decisivas. Meu pai sofreu tremendamente por 1967 e 1969, por exemplo. Arrancou os bigodes diante do rádio. Como era destro, pelava só o lado direito. Mais de uma vez, minha mãe precisou igualar na tesourinha.

Com a "modernidade", a partir do início da segunda década do novo milênio, a promessa era estabelecer hegemonia. E não era arrogância. Era o inevitável.

Afinal, o clube mais poderoso, com mais torcedores no estado mais rico da federação, precisa ter uma esquadra que sempre dispute o título. As regras de ciclos não devem servir para agremiações ricas e de multidão, como o nosso Coringão, dono de ativos tangíveis e intangíveis fabulosos.

Infelizmente, não é o que se tem visto por aqui, com oscilações injustificáveis, especialmente após 2017. Há anos, por exemplo, que vivemos de uma cultura tática de espera, reativa, sem marcar a saída do adversário. Ou não?

Entra técnico e sai técnico, e parece que esse costume está enraizado no departamento de futebol do clube, passando de uma leva a outra de jogadores.

Assim como é triste ver essa folclorização conformista das derrotas para clubes pequenos. Como ocorreu depois de se perder para um time que vinha de cinco derrotas seguidas. "Ah, o Corinthians é assim mesmo", como se fosse uma sina irremediável, da qual não pudéssemos fugir.

Também incomoda essa naturalização das derrotas para clubes inexpressivos nas fases de mata-mata da Libertadores, especialmente em casa. É o pensamento fatalista: "é desse jeito mesmo, não há o que se fazer". Como se a gestão eficiente e eficaz não pudesse lutar contra as tais forças sobrenaturais anticorinthianas.

Talvez seja preciso desfolclorizar e desnaturalizar os rituais de fracasso e analisá-los do ponto de vista da gestão. O que deu certo em 1914? Em 1916? Em 1930? Em 1954? Em 1983? Em 2012?

E rever erros organizacionais, estratégicos e de governança que nos meteram nos 9 anos de jejum (década de 1940), nos 22 anos de jejum (1974 a 1977) e nos tempos atuais, de oscilações, eliminações inacreditáveis, dívidas imensas, contratações erradas e descontinuação de protagonismo.

Muito vai da cabeça de certo torcedor médio, que é a mesma dos velhos cartolas. "Ah, perdemos, f..a-se, vamos tentar ganhar no próximo campeonato". É, pois, uma transição feita sem que se reflita sobre o fracasso.

O que nos leva a ter tantos resultados negativos recentes contra o Atlético Goianiense, por exemplo? É coisa do outro mundo? É a intervenção do além?

Uma opção de conduta é negar a ciência dos números, da administração, da psicologia, da medicina esportiva... A alternativa é pensar em como lidar estruturalmente com tudo isso, de forma profissional, e vencer esse nosso falso e mais frequente adversário: o acaso.

Vai, Corinthians!

Veja mais em: Corinthians x Atlético-GO.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Avalie esta coluna
Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?

  • Comentários mais curtidos

    Foto do perfil de Rodrigo

    Ranking: 470º

    Rodrigo 3451 comentários

    @rizzuti em

    Acredito eu que ninguém imaginava que com os jogadores que entraram ontem que nossa postura seria aquela.
    Algo difícil de digerir, espero que:
    Sirva de aprendizado pra o desafio do principal objetivo e campeonato que estamos disputando.
    A Libertadores da América, contra o varmengo, precisamos fazer jus ao...
    É sangue no olho, é tapa na orelha, é o jogo da vida, o Corinthians não é brincadeira!
    Temos condições e time pra ganhar esse campeonato sim.
    Mas os jogadores precisam dar o seu melhor como profissionais e ter a gana de marcar e entrar para a história do maior do Brasil
    Vai Corinthians!

  • Foto do perfil de marcelo

    Ranking: 246º

    Marcelo 5143 comentários

    @marcelaolhp em

    Não é possível que atl goianiense vai tirar de novo o Corinthians da Copa do Brasil e assim a espera do Corinthians pra ser campeão da Copa do Brasil vai durando desde 2009; Olha aí 2009
    Se passar pelo atl goianiense nos penâlti, vai ficar feio

  • Publicidade

  • Últimos comentários

    Foto do perfil de Juliane Bauer

    Ranking: 2980º

    Juliane 745 comentários

    39º. @juliane-bauer em

    Concordo com você

  • Foto do perfil de Beto

    Beto 105 comentários

    38º. @carlos.alberto63 em

    Dizem ter uma grande diferença entre Corinthians e Flamengo, por terem jogadores com rodagem internacional, e por isso era impossível uma virada. Grande besteira! O Atlético Paranaense, sem nada disso, deu um trabalho dos diabos pra eles em pleno Maracanã e tem chances de elimina-los na Copa do Brasil, e já fez isso até em épocas de JJ.

    Sim, o Flamengo é um timaço, mas o Corinthians perdeu pra si mesmo. Lembro da zaga do Flamengo no início do jogo aqui, entregando a paçoca, foram 3 chances desperdiçadas de maneira idiota, enquanto os volantes até então anulavam o Arrascaeta e o ataque do Fla.

    A doença desse time é só uma: O Ataque! Caro, cheio de egos, sem inteligência, e sem coletividade.

  • Foto do perfil de Juliane Bauer

    Ranking: 1875º

    Juliane 1140 comentários

    37º. @juliane.bauer14 em

    Concordo com você

  • Foto do perfil de Juliane Bauer

    Ranking: 1875º

    Juliane 1140 comentários

    36º. @juliane.bauer14 em

    Concordo com você

  • Foto do perfil de Thiago

    Ranking: 2319º

    Thiago 936 comentários

    35º. @thiago.santos560 em

    Se eu falar o que penso os nutellas caem aqui matando kkkkkk, postura ridícula de um time super forte ao menos no papel, time para arrastar campeonatos